CDU considera urgente a criação de corredores marítimos e de proteção ecológica do mar

A cabeça de lista da candidatura da CDU à Assembleia da República pelo Círculo da Madeira, Herlanda Amado, desenvolveu esta manhã uma ação de contacto no centro de Câmara de Lobos, para apresentar aquelas que são as linhas prioritárias de intervenção do partido, na defesa do património marítimo.

“É bem conhecida a elevada densidade de tráfego marítimo que cruza as nossas águas territoriais. Sabe-se que das muitos centenas de barcos que ao longo do ano navegam junto à nossa costa, existe um número muito elevado de navios que transporta cargas perigosas ou altamente poluentes”, afirmou Herlanda Amado. “Com esta preocupação presente também pelas questões ambientais envolvidas, é urgente a criação de corredores marítimos e de proteção ecológica do mar, em prol da segurança e da prevenção da poluição.”

A proposta da CDU, “é que esses corredores ecológicos se situem a pelo menos 50 milhas da costa e tenham em conta, na sua definição, correntes e ventos. A interdição da Zona Económica Exclusiva da Região a navios que transportem matérias perigosas, com algumas das proibições poderem vir a ser temporárias e outras permanentes. Neste último caso, deverão ser incluídas as embarcações que constem das listas negras na navegação. Em síntese, todas as embarcações que representem situações de manifesto perigo para as águas da Madeira,” afirmou a cabeça de lista.

Herlanda Amado acrescentou que “outra prioridade nesta linha de intervenção, nas questões relacionadas com os nossos mares, visa a necessidade de uma política em defesa do mar e das pescas, com o desenvolvimento das suas potencialidades e recursos - científicos, ambientais, económicos e sociais – assegurando uma mudança radical na economia das pescas e a soberania nacional das nossas águas (mar territorial e Zona económica Exclusiva), no quadro da extensão da plataforma continental e do alargamento da nossa ZEE. Estas são questões prioritárias de intervenção na defesa dos nossos mares e da nossa soberania.”