PSD/M defende duas ligações aéreas semanais entre Porto Santo e Lisboa

A Candidatura do PSD/Madeira às Eleições Legislativas do próximo dia 6 de outubro defendeu, hoje, no Porto Santo, segundo comunicado, a necessidade de haver uma mudança de atitude e de estratégia, por parte do Estado, relativamente à mobilidade aérea entre esta ilha e o continente português. Uma mudança que implicaria, desde logo, a assunção de que o Porto Santo – quer do ponto de vista dos seus estudantes e residentes, quer do ponto de vista económico – não pode ter, apenas, uma ligação aérea semanal a Lisboa, praticada ao sábado, num horário que, no entender de Fátima Menezes, “não serve os nossos interesses”.

“Precisamos de ter duas ligações aéreas a Lisboa para alavancarmos a economia do Porto Santo, nomeadamente através da captação de mais turistas continentais, mas, também, para garantirmos maior capacidade de resposta, ao nível do transporte aéreo, aos nossos estudantes e até aos Porto-Santenses que estão sedeados no continente português”, frisou a candidata, sublinhando, ainda neste contexto, os preços elevados que são praticados nesta linha.

Alertando para a falta de sensibilidade do Governo da República no que concerne à mobilidade aérea dos Porto-Santenses, a candidata aproveitou a ocasião para criticar os horários atualmente praticados pela companhia aérea Binter, operação que foi também negociada pelo Governo Central. Horários que, no seu entender, “não servem os Porto-Santenses nem a economia do Porto Santo”.

E é perante estas lacunas e porque o desenvolvimento futuro do Porto Santo passa, necessariamente, pela sua maior abertura ao exterior e, neste caso, ao próprio país, que a candidata apelou ao voto no PSD, no próximo dia 6 de outubro, de modo a que, “na Assembleia da República, possamos ter a capacidade de alertar, de pressionar e de resolver, junto do Estado Português, os problemas com que diariamente nos confrontamos”.

“A nossa representação na Assembleia da República tem de ser forte e consistente, para continuarmos a lutar pelos nossos direitos e é por isso que só o voto no PSD garante que estejamos a dar força, ao Governo eleito pelos Madeirenses, para vermos as nossas reivindicações satisfeitas”, rematou.