Barreto insiste na importância de se evitar geringonça à esquerda

O candidato do CDS-PP Madeira à presidência do Governo Regional voltou a "colar" PS e BE à "agenda oculta" que os dois partidos têm para "atacar a autonomia" e "alterar socialmente a sociedade madeirense".

Rui Barreto esteve este domingo no concelho de Câmara de Lobos em diversas acções de campanha, dando prioridade aos contactos com as populações, comerciantes, agricultores e pescadores.

Numa terra onde o pequeno comércio, a agricultura e as pescas são a base da economia e dos orçamentos das famílias, Rui Barreto foi lembrando as proposta que o seu partido conseguiu aprovar no Parlamento, em particular a descida no preço dos passes sociais, o regime específico para que as escolas, creches, lares e hospitais dêem prioridade aos produtos regionais na confecção de refeições e a decida do IRC de 15% para 13%, para os primeiros 15 mil euros tributáveis para as pequenas e médias empresas.

O candidato e dirigente centrista pediu aos apoiantes "força" para o "CDS impedir uma geringonça de esquerda na Madeira", explicando que o BE "é contra as empresas, contra as famílias, a economia e o Centro Internacional de Negócios".

O candidato reafirma que o "CDS é a alternativa segura e tranquila" para a transformar a Madeira, diz que "o partido está cheio de energia, de entusiasmo e força, tem um programa e uma grande equipa" e caso estivesse "com medo já tinha feito um arranjinho".