BE diz que piscicultura é “atividade de rapinagem” de recursos naturais

Lusa

O cabeça de lista do BE às eleições legislativas madeirenses, Paulino Ascensão, disse hoje que a piscicultura nos mares da Madeira é uma "atividade de rapinagem", porque cria "lucros milionários" para alguns e traz "poucos benefícios" à comunidade.

"O investimento é privado, o investidor esconde-se atrás de sociedade anónima, não sabemos quem é, mas notamos que os governantes andam muito entusiasmados com a ideia", afirmou Paulino Ascensão, na Ribeira Brava, zona oeste da Madeira, localidade escolhida pelo Bloco de Esquerda para iniciar a campanha eleitoral.

Existem já várias infraestruturas de piscicultura no mar da costa sul da ilha da Madeira, nomeadamente entre os concelhos da Ribeira Brava e da Calheta, uma atividade que os bloquistas classificam como "rapinagem dos recursos naturais”.

"A matéria-prima vem de fora, não tem efeito de contágio na economia local, os próprios peixes são importados, o produto final é maioritariamente encaminhado para o mercado externo e os lucros também vão para esses tais investidores que não sabemos quem são", disse Paulo Ascensão.

O cabeça de lista do BE considera que o efeito daquela atividade na economia local é "diminuído", porque a operação é "quase toda automatizada" e o emprego gerado é "muito pouco".

"O que fica, a consequência para todos nós, é o mar intoxicado, o mar envenenado, essa é a consequência mais significativa", afirmou, realçando também que as taxas cobradas pelo uso do domínio público "não são significativas".

Paulino Ascensão referiu que a piscicultura é exemplo do modo como o executivo regional, liderado pelo PSD desde 1976 e sempre com maioria absoluta, conduz a região autónoma.

"Isto é um exemplo da marca deste Governo Regional, que aposta em atividades de rapinagem, que criam lucros milionários para alguns e que não criam emprego, não beneficia a maior parte da população", disse.

E depois apontou outros casos: "Temos a rapinagem nas ribeiras, com a extração de inertes; temos a zona franca, que é um foco de lucros de milhões para o Grupo Pestana, temos as concessões [rodoviárias] via-litoral e via-expresso, que dão 80 milhões de lucros por ano e que vão para o bolso dos grandes empreiteiros”.

O cabeça de lista do BE destacou que é importante "mudar esta visão" e criar uma governação "para todos".

"É preciso mudar este rumo, é preciso ter medidas para valorizar a pesca, para aumentar o rendimento dos pescadores, para aumentar os recursos pesqueiros", vincou, sublinhando que é necessário criar atividades que "multipliquem o emprego e multipliquem a riqueza na economia regional".

As eleições regionais legislativas da Madeira, onde os sociais-democratas governam com maioria absoluta, decorrem em 22 de setembro, com 16 partidos e uma coligação a disputar os 47 lugares no parlamento regional: PDR, CHEGA, PNR, BE, PS, PAN, Aliança, Partido da Terra-MPT, PCTP/MRPP, PPD/PSD, Iniciativa Liberal, PTP, PURP, CDS-PP, CDU (PCP/PEV), JPP e RIR.