“Temos uma ilha com muito desperdício de água”, alerta Rui Barreto

"Temos uma ilha com muita abundância de água, mas também uma ilha com muito desperdício de água", enfatizou esta terça-feira o líder do CDS-PP, Rui Barreto, durante uma ação no sítio das Eiras, zonas altas do Caniço, onde levou a comunicação social para falar da falta de água de rega, mas também, nalguns casos, no abastecimento doméstico.

O líder da oposição diz que o problema da água, do ambiente e da sustentabilidade "é assunto prioritário" no programa de governo do partido, lembrando que já em 2015 o CDS dedicou um capítulo com 15 páginas a este assunto e enunciando o trabalho do Grupo Parlamentar, nomeadamente a criação do Observatório da Paisagem e a realização de um debate potestativo (obrigatório) sobre o clima, as alterações climáticas, a biodiversidade. "Eu não ando a falar disto só agora, aliás, a água e a sustentabilidade dos recursos tiveram direito a um capítulo do nosso programa", frisou.

Depois de ter percorrido o sítio das Eiras e contactado com as populações e comerciantes, Rui Barreto foi interlocutor de algumas das queixas que registou das populações. "Aqui, neste sítio em particular, há falhas no abastecimento de água pelo menos uma vez por semana. Mas em várias freguesias e concelhos da nossa ilha, há, recorrentemente, falta de água de rega."

Rui Barreto lançou uma pergunta: "Por que razão é que isto acontece?" E deu a resposta: "Há falta de investimento nos canais e reservatórios de água. Precisamos de um Plano Regional para Aproveitamento da Água. Este concelho de Santa Cruz tem 72% de perdas de água na rede pública. São demasiadas perdas e isso encarece o preço da água que os munícipes pagam. Isto não é explicável, haver um recurso que é abundante na Ilha mas que tem falhas no abastecimento e onde há demasiado desperdício. Não pode ser!"

O líder regional constata que a água "nunca foi uma preocupação" para quem tem governado a Região. "Mas será uma prioridade para o CDS", garantiu: "Nós queremos que a água que a Ilha tem seja aproveitada e guardada em reservatórios não só para o consumo doméstico mas também para a agricultura. Há agricultores a perder o cultivo que me dizem que o giro passou de 18 dias para 35 e de 15 dias para 31, e isto acontece porque há demasiado desperdício. Isto não é explicável. O CDS colocará este assunto nas prioridades dos investimentos para os próximos anos porque a situação tem vindo a piorar com enormes prejuízos para os agricultores. Sei de empresários que querem investir na agricultura e só não o fazem porque temem não ter aquilo que é mais elementar, que é a água. Este é um combate de todos mas será uma prioridade para o CDS, que é criar um Plano Regional de Aproveitamento dos Recursos Hídricos não apenas para baixar o preço da água que as pessoas pagam mas também garantir água para a nossa agricultura."