CDU acusa governantes de não terem tirado lições das catástrofes na Madeira

A CDU visitou durante esta manhã as serras de Santo António, no Funchal, tendo como objetivo averiguar os perigos e as ameaças que, em situação de aluvião ou de incêndio, pendem sobre as populações.

No local, Edgar Silva, afirmou que ainda persistem muitos problemas por resolver desde as últimas catástrofes que assolaram a Madeira. “Depois da aluvião de 20 de Fevereiro de 2010, e depois dos incêndios que se seguiram, que tanta destruição e desgraça provocaram, os governantes não foram capazes de intervir sobre muitas das causas do problema. Podemos dizer que os perigos e as ameaças ainda estão mais agravados”, apontou.

“No leito da Ribeira de Santo António os negociantes das pedreiras e britadeiras tratam dos seus negócios, pondo em perigo vidas e bens, sem que os governantes sejam capazes de agir e de defender o interesse público. Para além das criminosas intervenções no leito da ribeira, as plantas invasoras multiplicam-se pela serra, descontroladamente, sem que os governantes se ocupem em prevenir riscos e perigos maiores”, acrescentou.

O líder da CDU apontou ainda o dedo aos governantes, os quais, na sua ótica, não tiraram lições da história das catástrofes na Madeira, mesmo depois das verbas disponibilizadas à Região para fazer face aos incêndios e à destruição provocada pela aluvião, uma situação que afirmou ser “inaceitável”.