Altares de São João tornam Praça do Carmo no “centro cultural do Funchal” (com fotos)

Sofia Lacerda

A Praça do Carmo e as ruas que a circundam estão ‘vestidas’ de cor e tradição com os Altares de São João, que, de hoje até segunda-feira, dia 24, apresentam ainda mais motivos para receberem uma visita.

Vinte e cinco comerciantes aceitaram o desafio da Câmara Municipal do Funchal e fizeram o seu próprio altar de São João, cada um com motivos associados àquilo que comercializam, “e isso é que também dá outra riqueza e outra cor a estes altares”, regozijou-se o presidente da autarquia.

Miguel Silva Gouveia abriu, esta tarde, a edição 2019 dos Altares de São João e, além de percorrer os vários espaços comerciais aderentes, foi por diversas vezes abordado por populares e turistas.

Entre situações relacionadas com a cidade, o comércio e a mobilidade, recebeu ainda várias felicitações e votos de sucesso para o novo cargo que assumiu recentemente, tendo tido ainda oportunidade de trocar impressões sobre as tradições madeirenses.

“Fui interpelado por franceses, por um casal de brasileiros que veio cá e já prometeu regressar no fim do ano com os filhos para as festas de fim do ano, e até portuenses, que têm um São João tão rico, estiveram cá a conhecer a nossa tradição e disseram-nos que vêm hoje, aqui, aos Altares de São João, mas que não podem perder a véspera de São João, no Porto, de dia 23 para 24”, exaltou.

O investimento de 20 mil euros reflete-se num programa diversificado, com “bandas tradicionais madeirenses, a Banda Distrital e a Banda Municipal do Funchal, fado, marchas populares da Sociohabita e dos ginásios municipais e temos também teatro, com o Grupo Bolo do Caco”, realçou.

“Serão seis dias em que podemos dizer que a Praça do Carmo é o centro cultural do Funchal, o polo cultural, animando estes Altares de São João”, rematou o autarca.