Margarida Pocinho promete lutar por um envelhecimento saudável

A candidata do CDS-PP/Madeira às eleições europeias enalteceu, esta tarde, a importância que os fundos comunitários têm no desenvolvimento económico e social da Região.

Margarida Pocinho prestava declarações na Calheta, após uma reunião com o vice-provedor da Santa Casa da Misericórdia, Mário Nunes.

Na oportunidade, o responsável anunciou aos centristas que a Santa Casa irá formar 50 cuidadores informais para responderem às necessidades da instituição e do próprio concelho da Calheta, cuja demografia revela que 50% do total da população tem mais de 65 anos de idade.

A candidata ao Parlamento Europeu recebeu a notícia com "satisfação" e lembrou ao responsável que foi o CDS-PP o primeiro partido a apresentar na Assembleia Legislativa da Madeira o Estatuto do Cuidador Informal.

"Congratula-nos muito que a Santa Casa da Calheta avance com a formação para 50 cuidadores informais", transmitiu a candidata, que se fez acompanhar nesta reunião do líder do CDS, Rui Barreto, do deputado José Manuel Rodrigues, do presidente da Junta da Fajã da Ovelha, Gabriel Neto, e dirigentes locais do partido.

O curso conta com os apoios da União Europeia para a área da formação e educação, numa parceria com a Escola Superior de Enfermagem São José de Cluny, facto que levou Margarida Pocinho a enaltecer a importância dos fundos comunitários para o desenvolvimento económico e social da Região.

A Santa Casa da Misericórdia da Calheta lembrou que tem já aprovado um projeto de remodelação do Lar e Centro de Dia, co-financiado em 85% com verbas comunitárias, motivo para a candidata voltar a sublinhar o significado da União Europeia para a Madeira e Porto Santo. "Isto são exemplos de que os fundos comunitários são essenciais para o nosso futuro", disse.

Margarida Pocinho falou do objetivo da reunião na Santa Casa da Misericórdia da Calheta, lembrando a demografia regional e o envelhecimento da população. "Existem cerca de 1.000 idosos à espera de vaga para entrar num lar, temos 500 pessoas em situação de alta problemática, que são na sua maioria idosos, fomos informados pelo senhor vice-provedor que mais de 50% da população da Calheta tem mais de 65 anos, penso que este panorama é genérico em toda a ilha e, portanto, temos de repensar o que vamos fazer com estas pessoas", referiu ainda.

A candidata do CDS entende que há uma faixa etária que apenas precisa de ajuda domiciliária e realizar actividades, e uma outra, "mais envelhecida, acima dos 80 anos, que é extremamente numerosa, com fragilidades inevitáveis e por isso todos nós, políticos e cidadãos temos o dever de cuidar dos nossos idosos", alertou. "Existem apoios comunitários para a área do envelhecimento saudável, estão no eixo para a inclusão, contem comigo, porque, no fundo, é uma questão de saber dar a volta nos projectos a apresentar", concluiu.

Margarida Pocinho revelou-se lisonjeada com o trabalho desenvolvido pela Santa Casa da Misericórdia da Calheta. "O Lar faz um excelente trabalho, têm cerca de 100 pessoas residentes, ajudam em 300 domicílios e ainda apoiam famílias carenciadas e referenciadas pela Segurança Social, é de louvar, saiu destas reuniões com otimismo", disse a candidata.