PSD critica “descontrolo total” das contas do município de Machico

Em nota de imprensa, o PSD crítica a má gestão socialista na Câmara de Machico, “comprovada pelo um resultado negativo nas contas do município, superior a 1.5 milhões de euros, com resultados operacionais a rondar os 2.900 mil euros negativos”.

O partido recorda que, em 2017, as contas apresentadas pelo PS davam conta de um saldo positivo de mais de 1 milhão de euros, o que levou a reparos, dos membros social-democratas na Assembleia Municipal, no sentido do empolamento destes resultados. “Mais uma vez, o tempo vem dar razão ao PSD, atendendo aos resultados agora apresentados”, sustentam os autarcas social-democratas.

O PSD não só critica a má gestão financeira do município como também alerta para as incongruências de um executivo “que sempre utilizou a questão financeira da Câmara Municipal como arma eleitoral para ganhar votos”.

“Anunciaram um descontrolo de uma dívida criada pelo PSD, quando, na verdade, ao fim de 6 anos, com o plano de pagamento de dívida planeada pelo PSD, a dívida está praticamente liquidada.”

O PSD relembra que a dívida foi criada para modernizar Machico e equipá-lo com infraestruturas para usufruto e bem-estar da população, o contrário do que acontece, atualmente, em que os recursos financeiros não são utilizados para as verdadeiras necessidades dos machiquenses, chegando-se ao ponto de apoiar instituições de fora do concelho, enquanto se desvaloriza, por exemplo, a manutenção e a reabilitação dos arruamentos públicos e das infraestruturas.

Segundo o PSD, “nos últimos seis anos de gestão socialista, os cidadãos de Machico contribuíram em mais de 15 milhões de euros com impostos diretos à Câmara Municipal, como foi exemplo o IMI, IMT e IC, impostos esses que não foram devidamente utilizados na reabilitação das estradas e nas infraestruturas públicas”.

Os social-democratas consideram que “o descontrolo financeiro, apresentado em Assembleia Municipal, é real e a falta de investimento no município é visível”.

“O Município apresenta um aumento dos seus custos na ordem dos 35%, demonstrando, claramente, uma incapacidade de gerir bem as verbas do Município e deitando por terra todos os argumentos utilizados ao longo destes anos, de gestão exemplar socialista”, referem.

Nesse sentido, o PSD apresentou o seu voto contra a relação de prestação de contas do ano 2018.