Frente MarFunchal obrigada a pagar mais de 300 mil euros a funcionário

Patrícia Gaspar

PSD expressa reservas sobre as contas da empresa, criticando injeções de capital da Câmara, mas a autaqruia lembra que os social-democratas fizeram o mesmo e até mais.

A empresa municipal FrenteMar Funchal viu-se obrigada a pagar mais de 300 mil euros a um funcionário, na sequência de uma ação judicial.

“Houve um problema com um trabalhador que passou do SEP para a Frente-Mar e que ganhou uma acão judicial. Este funcionário ganha inclusive mais do que o administrador da FrenteMar e do que o presidente da Câmara”, explicou, hoje, Miguel Gouveia, depois de confrontado com a situação denunciada hoje, na Assembleia Legislativa da Madeira, por Rui Barreto, líder do CDS Madeira.

O vice-presidente da Câmara Municipal do Funchal (CMF) adiantou ainda que a autarquia como proprietária da empresa foi solidária e assumiu a dívida.

“Obviamente que uma empresa que tem um orçamento de cerca de 2 milhões por ano, não tem este dinheiro em tesouraria para dar cumprimento a uma ordem judicial”, referiu.

Em declarações proferidas à margem da reunião de Câmara, Miguel Gouveia garantiu que a CMF está a “fazer tudo” para dotar a FrenteMar Funchal de autonomia financeira.

Confrontado com as reservas do PSD sobre a empresa municipal, Miguel Gouveia lembrou que, até 2013, a FrenteMar recebia da Câmara 400 mil euros anuais.

“Além disso, existiam coberturas de capitais próprios negativos superiores a 1 milhão”, vincou, sublinhado a dependência da empresa da CMF no mandato social-democrata.