Jerónimo de Sousa em jantar-comício que celebrou aniversário do PCP na Ribeira Brava

O Secretário Geral do PCP, Jerónimo Sousa, participou ontem no jantar-comício que se realizou na Estalagem da Encumeada, na Ribeira Brava, no qual participam cerca de 650 militantes do PCP e ativistas da CDU.

Segundo comunicado do partido, as intervenções políticas nesta iniciativa ficaram a cargo do Coordenador Regional do PCP, Edgar Silva, do Candidato da CDU ao Parlamento Europeu, Ricardo Lume e do Secretário Geral do PCP, Jerónimo de Sousa.

No seu discurso, Jerónimo de Sousa afirmou que o governo anterior foi derrotado através da intervenção em ambas as forças políticas.

“Foi com a intervenção do PCP e da CDU que se abriu um caminho de defesa, reposição e conquista de direitos que embora limitados e aquém do que era necessário e possível, tem inegável significado”, afirmou Jerónimo de Sousa, segundo comunicado do partido.

“Sim, podia-se ter ido mais longe se o PS não partilhasse com o PSD e o CDS algumas das opções estruturantes que têm marcado a política de direita”, acrescentou.

E prosseguiu: “Aliás também aqui na Madeira vimos quanto importante é as pessoas não se deixarem enganar. Há quatro anos faltaram meia dúzia de votos para eleger o terceiro deputado, esse deputado que retirado ao PSD o teria impedido de manter maioria absoluta”.

Tomando a palavra, Ricardo Lume afirmou: “dar mais força à CDU já nas eleições para o Parlamento Europeu, é a garantia da eleição de deputados comprometidos, como nenhuns outros, com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo, do país e da região”.

“PS, PSD e CDS estão empenhados em se apresentar como os que melhor defendem a União Europeia em Portugal e na Região. Mas o que os trabalhadores e o povo português precisam, é de quem os defenda cá e lá, no Parlamento Europeu, contra as imposições da União Europeia e de quem nela manda”, acrescentou.

Já Edgar Silva afirmou que “este ano temos pela frente exigentes desafios políticos – eleitorais”.

“É uma grande batalha com diversas etapas. Em cada uma das eleições o mesmo objectivo: dar mais força à CDU! E esse compromisso começa já em maio, nas Eleições para o Parlamento Europeu”, acrescentou.

“Neste sentido, cabe-nos esclarecer que não basta mudar de caras, é necessária a mudança de políticas, é necessário dar mais força à CDU”, referiu.

“Seremos cada vez mais confrontados com uma brutal propaganda para fazer crer que a substituição do PS pelo PSD, a simples substituição do Albuquerque pelo Cafôfo, no essencial, não é mais do mesmo. Os que andam na substituição querem fazer crer que na substituição está o ganho, que a substituição é o caminho para uma vida melhor”, disse ainda.

“Seria a dita alternância. Como se fosse suficiente ter outros a ocupar as cadeiras do poder, como se tudo se resolvesse através de uma troca no poder, sem que fosse necessária a transformação das relações sociais, sem a prioritária alteração das relações de classe”, referiu.

“Aos que andam na substituição, a quantos tudo confiam na substituição de uns por outros no comando da política de direita, cabe-nos esclarecer que não basta que se mudem as moscas! É imperiosa a mudança de políticas! Para tal é necessário dar mais força à CDU”, concluiu.