Festa da Flor é feita através da «conjugação de esforços e vontades»

Carolina Hermano

Paulo Cafôfo esteve, esta manhã, no Mercado dos Lavradores, onde visitou um tapete de flores tradicional madeirense, promovido pela Unidade de Mercados da Câmara Municipal do Funchal (CMF), no âmbito da Festa da Flor. O autarca defendeu que «tem que haver uma conjugação de esforços e de vontades» entre a CMF e o Governo Regional, uma vez que a Festa da Flor é um dos cartazes que mais turistas atrai à Região.

«Aquilo que fizemos enquanto autarquia é um complemento às iniciativas que são feitas pelo Governo, valorizando um cartaz que é muito importante, e que é o mais significativo em termos de turismo para a Região», declarou.
O edil afirmou ainda que «a Festa da Flor é uma festa de todos os madeirenses», pelo que o objetivo do município é oferecer uma «mais-valia» ao evento.
«Aquilo que pensamos foi que todos nós devemos estar associados a este cartaz, seja o Governo Regional, a CMF, os hoteleiros, a restauração ou os comerciantes. É esta operação integrada da flor que faz sentido para valorizar este cartaz que já é o maior da Região», sublinhou.
Neste sentido, Paulo Cafôfo destaca que algumas das iniciativas da autarquia foram a decoração da Praça do Município e o concurso de vitrinismo, que este ano contou com a participação de «25 comerciantes que enfeitaram as suas montras com flores alusivas a esta época».
O presidente da autarquia deixou ainda um agradecimento a todas floristas do Mercado dos Lavradores que ofereceram as flores para a construção do tapete que pode ser visitado até quinta-feira.
«É desta conjugação de vontades que se faz a Festa da Flor, e o Mercado não podia estar fora», concluiu.