Governo pede estudo sobre impacto da Festa da Flor, que passará a durar quatro semanas

Paula Abreu

Das três semanas atuais, a Festa da Flor terá, no próximo ano, quatro semanas de duração. Para além da extensão temporal, o Governo Regional pretende renovar alguns dos aspetos que marcam este cartaz turístico, nomeadamente os tapetes florais e a exposição das flores.

O anúncio foi feito esta tarde pelo presidente do Governo Regional, que visitou as placas centrais da Avenida Arriaga, onde se concentram alguns dos motivos de interesse do cartaz.

Miguel Albuquerque explicou que a intenção de ampliar o evento no tempo prende-se com o grau de satisfação que a Festa da Flor tem representado. «Temos uma taxa de ocupação de 90 por cento para estas três semanas e estamos com uma grande expetativa em relação ao retorno do investimento que fizemos nesta edição», de 420 mil euros.

Assim, fazer um mês de Festa da Flor «será um investimento que valerá a pena».

Miguel Albuquerque, que visitava a Festa da Flor na companhia do secretário regional de Economia, Turismo e Cultura e respetiva equipa, anunciou ainda que o executivo regional vai solicitar ao Observatório do Turismo uma avaliação sobre o impacto económico deste cartaz turístico na economia da Madeira. Um estudo que ainda não existe. «Já o fizemos para o Carnaval e tivemos uma grata surpresa, já que ficamos a saber que nos deu um retorno de 2 milhões e 900 mil euros. Por isso, estamos muito expetantes relativamente ao retorno da Festa da Flor».