JS lança "Indicadores de Retrocesso e Incumprimento" e críticas ao Governo

A JS-Madeira lançou o seu “Madeira de A a Z, Indicadores de Retrocesso e Incumprimento”, como resposta ao “Madeira de A a Z, Indicadores de Progresso e Desenvolvimento”, do Governo Regional.

Os jovens socialistas consideram que se encontram em falta vários indicadores estatísticos, “essenciais para conhecer a realidade social e económica de um país e necessariamente das suas regiões”.

Por isso, em 26 letras do abecedário, a JS-Madeira ficou surpresa pela total ausência de vários dados “estatísticos essenciais” para a Região Autónoma da Madeira, que são, do seu ponto de vista, os principais focos de problemas da nossa região: Desemprego, Emigração, Saúde e Abandono Escolar precoce.

Numa nota enviada à comunicação social lê-se o seguinte:

"Ao mesmo tempo que Portugal cresce, na Madeira a única coisa que cresce são as listas de espera no acesso à saúde. São os mais de 40.000 madeirenses que esperam por uma consulta hospitalar, os mais de 20 mil madeirenses que aguardam uma cirurgia no hospital e os milhares de anónimos que, diariamente, recorrem ao privado para terem acesso aos cuidados na saúde. Continuamos a liderar uma das maiores taxas de emigração e emigração jovem do país, com mais de 15.000 madeirenses a emigrar nos últimos anos, e continuamos a ser a região com a maior taxa de desemprego nacional, com mais de 12.200 desempregados, sendo que, desses, 2.700 são jovens, correspondendo a uma taxa de desemprego jovem de 28%, contra 20,3% da taxa nacional. Continuamos a ter um abandono escolar precoce regional de 17,8%, quando a média nacional é de 11,8%, continuamos a fechar escolas e a recusar a distribuição de manuais escolares gratuitos na região ao contrário do todo nacional".

E citam Miguel Albuquerque: “nunca tivemos tantas pessoas a trabalhar", procurando criticar o número de pessoas que o Governo coloca em áreas como as redes sociais, a fotografia, em vídeo, design, na maquilhagem, no lóbi, na comunicação, na estatística. No entanto, consideram, "não são suficientes para branquear a total incapacidade de resolver os problemas da Madeira e do Porto Santo".

De acordo com a JS, as estatísticas recentes "demonstram que a Região está no caminho errado". "Mais do que o resultado da incapacidade deste executivo regional, mais do que um partido incapaz de resolver os problemas da Região Autónoma Madeira, mais do que esconder os dados negativos de uma governação, apesar de todos os esforços para branquear, disfarçar e ocultar os dados reais da Região, mais do que tudo isto é o sentimento que todos os madeirenses têm hoje, que é tempo de mudar".

"E contra isso não há suplementos, cartazes, reuniões, perfis falsos, campanhas capazes de mudar. É tempo de mudar, pela Madeira e Porto Santo, pelos madeirenses", reivindicam.