JSD/Madeira defende valorização dos ofícios artesanais

Sofia Lacerda

A JSD/Madeira inteirou-se, esta tarde, dos projetos, objetivos e dificuldades de nova instituição, depois de visitar o Núcleo Museológico de Arte Popular do Grupo Folclórico e Etnográfico da Boa Nova.

Uma iniciativa que está integrada na ‘Semana da Cultura’ que esta juventude está a promover e que, conforme adiantou o presidente, Bruno Melim, pretende “valorizar dois grandes vetores”.

“Em primeiro lugar, as propostas que temos e que foram apresentadas no âmbito da nossa moção, e, em consequência disso, a auscultação da realidade dos agentes culturais”, precisou.

“Na segunda-feira estivemos com a Associação de Bandas Filarmónicas da Região Autónoma da Madeira e, na terça, realizámos uma visita à Fábrica de Vimes do Café Relógio”, lembrou, defendendo a importância de “ouvir e apoiar estas associações”.

Sobre a deslocação desta quarta-feira, o líder da JSD realçou que “há um projeto a ser discutido, com o apoio do Governo Regional, no que diz respeito à produção, investigação e conteúdos históricos, mas também de formação de novos quadros, através de cursos próprios”.

Passos essenciais para que grupos como estes se continuem a renovar e reinventar, “porque estes grupos são feitos de pessoas que se dedicam a uma causa. Nós hoje estivemos com o presidente de uma estrutura à qual se dedica há 35 anos e são estes exemplos que têm que ser valorizados”, sustentou.