Albuquerque: "Uma sociedade que vive sobre si própria tem de começar a pensar nos outros"

Catarina Gouveia

No assinalar do Dia Mundial do Doente, o presidente do Governo Regional recomenda a “pensar mais nos outros”, algo essencial numa “sociedade que vive virada sobre si própria”.

Mensagem passada numa cerimónia eucarística realizada esta tarde na Sé Catedral do Funchal, dedicada ao assinalar do Dia Mundial do Doente, efeméride celebrada anualmente pela Igreja Católica.

Sendo uma data em que o setor da saúde assume um papel de destaque, é necessário pensar nela “em sentido positivo”, referiu o chefe do Executivo, apontando para o aumento da esperança média de vida até aos 80 anos como algo bom, mas que envolve “gerir as consequências”.

Isto “implica estarmos preparados para uma sociedade que vai ter pessoas com mais tempo de vida, mas que precisam de mais acompanhamento”, afirmava Albuquerque, que assume o apoio ao doente como prioridade para o Governo Regional.

A celebração surge no âmbito de “chamar a atenção para todo o apoio que é necessário atribuir às pessoas que, num momento das suas vidas, por intercorrência súbita, começam um percurso de doença, que pode ser aguda ou crónica”, refere o secretário regional da Saúde, que marcou também presença na eucaristia, assim como representantes da Câmara Municipal do Funchal, da Assembleia Legislativa, do IASAÚDE e das ordens dos Farmacêuticos e Enfermeiros.

“É uma questão de nos reconciliarmos e percebermos que os doentes são pessoas muito importantes para nós e que a sociedade tem de se preocupar com eles, principalmente na área da saúde”, alerta Pedro Ramos, considerando que “os decisores têm de arranjar medidas para que a acessibilidade, o diagnóstico, o tratamento e a reabilitação sejam uma realidade em todo o mundo”.