Passos na abertura do congresso do PSD/Madeira que reconfirmará liderança de Albuquerque

Lusa

O XVI congresso regional do PSD/Madeira que decorre no sábado e no domingo, no Funchal, conta com a presença do presidente do partido e vai reconfirmar a liderança de Miguel Albuquerque num ano marcado pelas eleições autárquicas.

Pedro Passos Coelho desloca-se à Madeira para manifestar o apoio do partido ao seu amigo de sempre, Miguel Albuquerque, participando na sessão de abertura da reunião magna dos sociais-democratas madeirenses.

O congresso vai reconfirmar a liderança de Miguel Albuquerque que, nas eleições internas que se realizaram a 09 de dezembro de 2016, sem qualquer opositor, foi reeleito com 98,2% dos votos (2.850) dos 2.901 militantes que exerceram o seu direito de escolha.

Albuquerque sucedeu, em 2015, ao carismático líder madeirense, Alberto João Jardim, também na presidência do Governo Regional da Madeira, exercendo o cargo desde 20 de abril desse ano.

Para este congresso regional foram eleitos 450 delegados e Miguel Albuquerque indicou como os dois principais “desafios” em foco nesta reunião magna: as eleições autárquicas que se realizam no outono e a revisão do Estatuto Político Administrativo da Madeira.

Em termos de eleições autárquicas, até ao momento não foi oficialmente anunciado qualquer candidato do PSD insular, sustentando o líder social-democrata insular que o principal objetivo é reverter a situação que resultou das últimas autárquicas, que se realizaram a 29 de setembro de 2013.

Nesse ato eleitoral, o PSD/Madeira então liderado por Alberto João Jardim, depois de 45 vitórias em atos eleitorais ao longo de 38 anos, sofreu uma pesada derrota, obtendo o pior resultado de sempre dos sociais-democratas na Região Autónoma, somando apenas 34,81% da votação.

Os sociais-democratas acabaram por perder sete das 11 câmaras do arquipélago que detinham desde 2009, incluindo o Funchal, para a coligação “Mudança”, formada por seis partidos (PS, BE, MPT, PTP, PAN, PND).

O PS reconquistou Machico e Porto Santo, conseguindo vencer também pela primeira vez o município do Porto Moniz, enquanto o CDS-PP passou a liderar a Câmara de Santana e os movimentos independentes tiraram ao PSD os de São Vicente e Santa Cruz.

Uma das novidades deste congresso do PSD/M é o local onde se realiza, visto que há mais de uma década se realizavam no Centro de Exposições e Conferências da Madeira (CEMA), nos arredores do Funchal, e, este ano, foi transferido para o Centro de Conferências da Madeira, vizinho da Quinta Vigia (presidência do Governo Regional da Madeira).

Logo depois de assumir a liderança, Miguel Albuquerque decidiu denunciar o contrato de arrendamento do espaço do CEMA, por questões de poupança.

Também pela primeira vez os delegados vão escolher os 71 elementos do conselho regional por método de Hondt.

Outra inovação é a duração do congresso, que começa às 15:00 de sábado e tem a sessão de encerramento marcada para a mesma hora de domingo.

O programa começa com a posse da comissão política e o secretariado eleitos, seguindo-se as intervenções políticas dos líderes nacional e regional do partido.

No sábado acontece a apresentação da moção de estratégia global intitulada “Proximidade, Confiança, Desenvolvimento”, na qual Miguel Albuquerque aponta os objetivos a prosseguir até final do mandato em 2019, das moções setoriais e das propostas de alteração estatutárias.

A eleição dos órgãos regionais (mesa, conselhos regional e de jurisdição) tem lugar no domingo até às 13:00, decorrendo a sessão de encerramento depois do almoço.