Limites no aeroporto da Madeira representam “prejuízo brutal para a empresa”

David Spranger

Colateralmente à audição foi adicionado o tema ‘limites no aeroporto da Madeira’. Fernando Pinto constata que “olhando para o passado, sim, o número de voos que não aterrou, duplicou”.

Lembra que isso representa “um prejuízo brutal para a empresa, mas graças a Deus que os pilotos não têm isso na cabeça”.

De resto relevou, a este propósito, que “a Airbus quis testar um novo sistema e pediu para o fazer aqui na Madeira. Fez questão disso, e os resultados não foram bons”, conforme adiantou, sem se alongar mais nesta questão, levantada por Jaime Leandro, deputado do PS.