"Madeira sempre foi um mercado especial para a TAP”, diz Fernando Pinto

David Spranger

Na sua primeira intervenção, Fernando Pinto, que foi CEO da TAP, ao longo de 18 anos, exaltou que “à Madeira sempre foi um mercado especial para a TAP”, lembrando as “49 ligações semanais”.

O gestor, agora reformado, faz uma síntese da história da TAP, relevando que “a TAP teve que se reinventar para encarar as novas realidades, face às entradas das low-cost”. Numa primeira ilação, fica a expressão de que “parece-me que o foco tem que estar agora no modelo de subsídio”, após lhe parecer que “o problema está em os madeirenses terem de adiantar o valor”.

Desta forma ‘escapou’ à questão colocada por Carlos Rodrigues, que pretendia que explicasse a famosa expressão ‘preços módicos’ utilizada pelo atual CEO, Antonaldo Neves, perante esta comissão.

Mais à frente, lembrou que “até 2008 havia prestação de serviço público, mas essa regra, com a liberalização do mercado, não existe mais”.

Por outro lado, Fernando Pinto realçou que “quase 50 por cento das tarifas estão abaixo dos 100 euros”.

Refere-se a tarifas já vendidas, o que o leva a concluir que “as pessoas já aprenderam a usar o sistema”, numa alusão à compras de passagens com alguma antecedência.