Cinco novos recrutas dos Sapadores sem habilitações exigidas

Carla Ribeiro

A denúncia chegou à nossa redação:há recrutas nos Sapadores do Funchal com apenas o 9º ano de escolaridade quando, para serem admitidos numa corporação de sapadores, tinham de ter o 12.º ano.

O JM confrontou a Câmara Municipal do Funchal com esta acusação, a qual respondeu que o processo concursal começou antes da aprovação do Regulamento Interno do Corpo de Bombeiros Sapadores do Funchal, o que justifica a recruta para bombeiros municipais (bastando ter o 9 º ano). A Autarquia alega que, no entanto, o processo de recrutamento foi estruturado com provas similares às dos sapadores e com requisitos que fizeram com que apenas 5 dos admitidos fossem possuidores do 9.º ano, estando, inclusive, esses elementos em vias de integrarem o processo de validação de competências para a obtenção do 12.º ano. Esta situação, acrescenta a edilidade, irá acontecer logo após a finalização do estágio em que se encontram.

Questionada sobre se o processo de mobilidade intercategorias atingirá aquela corporação, a Autarquia responde afirmativamente, lembrando que é um processo que não acontecia desde 2008 e que só é possivel porque a Câmara permitiu que todos os seus bombeiros, sem exceção, frequentassem cursos de aquisição de competências, uma imposição legal, ao longo deste ano, na Escola de Sapadores de Lisboa, num esforço financeiro e humano "muito exigente". "Na sequência desse processo, serão promovidos todos os bombeiros de 3ª categoria para 2ª que manifestaram esse interesse, todos os de 2ª para 1ª e os de 1ª para subchefe, num número que permitirá completar o nosso quadro de chefias. Isto permitirá, igualmente, uma maior valorização na carreira de todos os nossos bombeiros, com as consequências remuneratórias que daí advêm. Ao fazermos isto estamos, mais uma vez, a reconhecer e a valorizar o trabalho e a missão de todos os nossos bombeiros", diz o gabinete de Paulo Cafôfo.