Relação da família real do Mónaco com o Vinho Madeira é antiga

Sofia Lacerda

A relação da família real do Mónaco com o Vinho Madeira já é antiga e remonta ao príncipe Alberto I, tetravô do príncipe Alberto II, que esta tarde foi entronizado confrade do Vinho Madeira.

Aos jornalistas, o chefe da Casa de Grimaldi disse que sempre viu garrafas de Vinho Madeira na adega do Palácio do Mónaco e que o pai, o príncipe Rainier, era “um grande apreciador” desta bebida.

Lembrou ainda que já o seu tetravô, o príncipe Alberto I, que esteve na Madeira “há mais de um século para fazer pesquisa de âmbito oceanográfico” conhecia este vinho. “A nossa ligação com o Vinho Madeira já remonta há muito tempo e sinto-me muito honrado e feliz por estar aqui, mais uma vez”.

O monarca considerou ainda ser importante continuar a promover o Vinho Madeira, já que, apesar de toda a gente conhecer esta marca, “nem todos tiveram a oportunidade de o provar”. “É importante continuar a promovê-lo, já que o vinho é uma expressão muito própria da identidade e cultura locais”, referiu.

A entronização do príncipe foi proposta pelo presidente do Governo Regional, que manifestou a sua satisfação por Alberto II ter vindo à Madeira expressamente para a cerimónia.

“O príncipe do Mónaco é uma personalidade conhecida em todo o mundo e é um amigo da Madeira, aliás já o provou, o ano passado esteve cá”.

“Penso que é uma promoção muito importante, porque é uma personalidade conhecida a nível mundial”, reiterou.