Miguel Albuquerque contra o "centralismo jacobino da esquerda lisboeta"

Iolanda Chaves

Miguel Albuquerque retomou o contacto com os militantes sensibilizando-os para os desafios que o partido enfrenta e para os adversários que diz serem os "mandatários do centralismo jacobino da esquerda lisboeta".

O presidente do PSD-Madeira reuniu-se esta sexta-feira, na sede do partido, com os militantes das freguesias da Sé, São Pedro, Imaculado Coração de Maria e Santa Luzia e, mais tarde, com os de Gaula, no concelho de Santa Cruz.

Nestes encontros, que já aconteceram noutras localidades da Região, Miguel Albuquerque tem procurado fazer um balanço da ação governativa do executivo regional e falar dos desafios que o partido tem pela frente, com destaque para as eleições regionais.

"Ou a Madeira continua a ser governada por um partido autonomista, no qual se reveem, que é o PSD, ou passa a ser mandada por Lisboa e a autonomia perde-se, porque o PS não tem estrutura, nem verticalidade, nem força, para garantir a vontade dos madeirenses por via dos seus representantes", disse em declarações aos jornalistas.

O desafio principal, diz, está na bipolarização da sociedade madeirense entre o PSD "que durante 40 anos assumiu os princípios autonómicos como vetores estruturantes do desenvolvimento democrata e um conjunto de forças inorgânicas ligadas ao PS Madeira, que não são mais do que mandatários do centralismo jacobino da esquerda lisboeta".

Miguel Albuquerque está também a preparar os militantes para o congresso regional do partido ao qual se apresentará como candidato.