Babosas: André Escórcio também está contra a reconstrução da capela

Miguel Silva

O antigo deputado e líder parlamentar do PS-M acompanha a posição do padre José Luís Rodrigues nas críticas à reconstrução da capela das Babosas, no Monte.

Hoje, na sua página no Facebook, o professor aposentado elogia o pároco de São Roque que ontem condenou a intenção do Governo em avançar com a reconstrução da capela das Babosas num investimento de 400 mil euros. “Uma pipa de massa”, disse o padre condenando o que classificou como “baboseiras”.

André Escórcio revela que quando soube da intenção do Governo em reconstruir a capela devastada em 2010 teve “exatamente” o mesmo sentimento que expressou ontem o padre José Luís.

No texto que publica hoje, o antigo dirigente socialista – agora afastado da politica ativa – lamenta a opção do Governo e indica duas outras capelas onde, essas sim, precisam de algum investimento: a capela de São Paulo, no Funchal, e a Capela de Nossa Senhora da Piedade. Explica que esses dois imóveis constituem importantes elementos patrimoniais que estão subvalorizados. “Em síntese, o governo manda construir uma capela que, segundo li, data de 1906 e esquece-se de uma de meados do Século XV que deveria ser preservada no quadro do património cultural da Região”, escreve Escórcio.

Perante esse quadro, sobram críticas também para a Diocese e o bispo do Funchal. A instituição “mantém-se caladinha” e “do Bispo António Carrilho nem um pio relativamente às prioridades”, nota André Escórcio. Por isso, conclui que se trata de uma questão “de natureza política” uma vez que “o Monte está na ‘nas bocas do mundo’” devido à tragédia do ano passado.

O artigo termina com uma referência ao projeto para a nova capela das Babosas. Escórcio diz que é "uma espécie de "Casinha de Santana".