NRP Mondego pela primeira vez na Madeira

A Região recebeu pela primeira vez esta quinta-feira o NRP Mondego para uma comissão no dispositivo do Comando da Zona Marítima da Madeira, onde irá permanecer até ao final de novembro de 2018.

Durante a missão, o navio irá estar empenhado em diversas tarefas, nomeadamente no âmbito da busca e salvamento no mar, da fiscalização da atividade piscatória, do controlo da navegação, da prevenção e combate à poluição marítima e do apoio ao Instituto das Florestas e Conservação da Natureza.

O NRP Mondego, o terceiro navio da classe 'Tejo', modelo 'FLYVEFISKEN' ou 'STANFLEX 300', comandado pelo primeiro-tenente Pereira Robalo, tem uma guarnição de 26 militares (cinco oficiais, cinco sargentos e 16 praças) e é o terceiro de quatro navios adquiridos à Dinamarca.

O navio chegou a Portugal no dia 28 de abril de 2015, tendo sido aumentado ao efetivo dos navios da Marinha a 12 junho deste ano. Foi, entretanto, modernizado nos estaleiros da Arsenal do Alfeite (AA), o que vem assim concretizar a substituição progressiva dos atuais navios patrulhas da classe Cacine, em serviço há mais de 40 anos.

Após a ação de modernização levada a cabo na AA, o NRP Mondego é um navio destinado a operar junto a zonas costeiras em missões de vigilância, patrulha, defesa, controlo e fiscalização dos espaços marítimos sob soberania, jurisdição e responsabilidade nacional, sendo essencialmente vocacionado para funções de segurança e autoridade do Estado no mar, guarnecer o dispositivo naval padrão da Marinha na Região, reforçar a capacidade de resposta a situações de busca e salvamento, contribuir para o esforço de fiscalização marítima, apoio aos órgãos de proteção civil regionais em situações de calamidade ou catástrofe naturais e a cooperar com outros departamentos do Estados com competências no mar.

Este navio rendeu o NRP ORION, comandado pela primeira-tenente Cátia Sofia Pacheco, que largou no dia 14 de agosto para Portimão.