Passageiros para o Porto Santo revoltados com comportamento da Binter

Alberto Pita

Os cerca de 40 passageiros que aguardam desde ontem à tarde pela ligação aérea para o Porto Santo estão cansados e revoltados com o comportamento da companhia espanhola, que recentemente venceu o concurso público internacional para as ligações aéreas entre a Madeira e a Ilha Dourada, deixando para trás a anterior Aerovip.

Entre os passageiros há cerca de uma dezena de doentes do Porto Santo que vinham a consultas a centros de saúde ou ao hospital e que, contam-nos, por causa dos sucessivos atrasos alguns já tiveram de receber nova assistência, nomeadamente um homem diabético que não trouxe medicação, por pensar que regressaria no mesmo dia, como resto tinha planeado.
Há pelo menos três passageiros que estão sentados em cadeira de rodas, por terem problemas nas pernas ou por terem idade avançada e por isso cansam-se com maior facilidade. Nesta situação está uma senhora de 87 anos que, apesar de manter boa mobilidade, recorre à cadeira de rodas para fazer percursos mais longos ou apenas para descansar.
Um casal natural dos Açores, mas a residir há décadas no Canadá, está também entre os afetados. A esposa queria visitar o Porto Santo, o marido quis satisfazer a vontade da mulher e comprou três noites num dos hotéis mais caros da ilha - com um custo superior a 200 euros/noite - e agora corre o risco de já nem ir porque entretanto já quase dois dos três dias passaram.
Há casais naturais do continente também que se mostram agastados com todo o caso, com a falta de informação ou informação incorreta da canariana Binter, e lamentam toda a experiência que estão a viver na Região.
São relatos que se ouvem entre os cerca de 40 passageiros.
Todos já receberam, até ao momento, dois vouchers de 6 euros e outro de 18 euros para alimentação, e pernoitaram em hotéis de Machico ou Santa Cruz.
Os passageiros têm recebido promessas de que voam, mas o tempo passa e continuam agarrados às malas nos bancos do Aeroporto da Madeira.
Neste momento, o balcão de check in voltou a abrir, criando nova esperança que será desta para estas pessoas. Se se confirmar, voam dentro de pouco tempo. A companhia apontou razões climatéricas no Porto Santo para os sucessivos atrasos.