Sindicato ameaça ir "até às últimas consequências" pelos trabalhadores da MEO/Altice

Tânia R. Nascimento

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual (SINTTAV) ameaçou, esta manhã, ir "até às últimas consequências" pelos 29 trabalhadores do 'call-center' da MEO/Altice que, na última semana, foram confrontados com rescisões contratuais.

"O nosso Gabinete Jurídico está a dar apoio a todos os trabalhadores que se encontram nesta situação de rescisão contratual, de despedimento encapotado. O SINTTAV está ao lado deles, vai continuar ao lado deles e iremos até às ultimas consequências", disse o dirigente sindical, avançando sobre a possibilidade de recorrer à via judicial.

Em protesto, mesmo às portas da MEO/Altice, Baptista Monteiro lembrou que, em causa, estão jovens que "não têm qualquer hipótese de ter um futuro" e que, atualmente, se vêm "confrontados com a situação de não ter um emprego efetivo", mas sim "precário", com contratos a prazo de 15 dias.

O dirigente sindical exigiu ainda a intervenção do Governo Regional no sentido de mudar a legislação e acabar com este género de contrato.