Investigadores do Observatório Oceânico da Madeira descobrem planície de corais ao largo da Ribeira Brava

Investigadores do Observatório Oceânico da Madeira (OOM) descobriram, esta quinta-feira, uma concentração considerável de corais profundos (animais de elevado valor ecológico) ao largo da ilha da Madeira, na zona da Ribeira Brava.

Numa nota enviada à imprensa, o OOM adianta que esta descoberta foi feita durante o primeiro mergulho do ROV Luso da EMEPC (Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental) na Região, efetuado no âmbito da Campanha Oceanográfica OOM-2018.

"Após 1h30 de descida, o ROV Luso poisou na planície abissal, a cerca de 2.000 m de profundidade, ao largo da Ribeira Brava. Movimentando o ROV Luso junto ao fundo, a equipa de investigadores encontrou pela primeira vez na Região uma grande concentração de corais de mar profundo, espécies com grande valor ecológico e importantes indicadores climáticos", conta.

A missão está a ser coordenada por investigadores do Observatório Oceânico da Madeira e visa estudar a biodiversidade e a oceanografia física das zonas costeiras da ilha da Madeira, incluindo os canhões submarinos, vales que se propagam da costa até ao mar profundo em poucos quilómetros.

Esta campanha oceanográfica está inserida no âmbito do Projeto OOM, financiado por fundos FEDER, geridos pelo IDR - Instituto de Desenvolvimento Regional.

Um ROV (do inglês Remotely Operated Vehicle) é um veículo de operação remota utilizado no estudo e na exploração do oceano.

O ROV Luso tem a capacidade de mergulhar até 6.000 m de profundidade e permite recolher amostras e obter imagens de alta definição.

"As fotografias recolhidas pelo ROV Luso ao largo da Ribeira Brava revelam a diversidade de formas e de cores destes corais descobertos nestas zonas totalmente desprovidas de luz (afótica), bem como os complexos ecossistemas que estes ostentam em seu redor. Esta missão exige uma logística complexa bem como uma execução minuciosa, envolvendo uma equipa alargada de investigadores e operacionais", explica.