TAP explica cancelamentos na Madeira e falta alojamento para os passageiros

Contactado pelo JM, o gabinete de comunicação da TAP lamentou hoje os cancelamentos registados nos últimos tempos, de e para a Região Autónoma da Madeira e explicou que foram provocados por “uma série de contingências imponderáveis”.

A companhia deu como motivos para os cancelamentos as condições climatéricas, as obras no aeroporto e a greve em Marselha.

Mais concretamente, o “caso de um período de mau tempo no Porto, aliado a obras no aeroporto Sá Carneiro, que obrigaram ao encerramento do aeroporto durante a noite, bem como às perturbações provocadas no tráfego aéreo pela greve em Marselha”, lê-se na resposta dada via e-mail.

Na sequência destes eventos, a companhia “reconhece os transtornos causados aos passageiros afetados, aos quais apresenta desde já o seu pedido de desculpas”, acrescenta.

“Todas estas contingências afetaram a operação da TAP na noite passada, levando a inevitáveis cancelamentos de voos, com a agravante de não ter sido possível alojar os passageiros em hotéis, por falta de quartos no Porto, tendo em conta que é um período de férias e em que as unidades hoteleiras estão lotadas”, explica.

“Os passageiros afetados por estes cancelamentos estão a ser transportados nos voos seguintes da Companhia, estando a TAP empenhada, como sempre, em encontrar as soluções adequadas para proteger e cuidar dos seus Clientes, cumprindo escrupulosamente todos os regulamentos e legislação, nacionais e internacionais, aplicáveis ao transporte aéreo”, conclui a TAP.