Jardim da Serra tem 10 atletas menores retidos no Porto desde domingo

Carla Ribeiro

Dez atletas menores da Associação Cultural e Desportiva do Jardim da Serra estão retidos no Porto, após dois cancelamentos de voos da TAP para a Madeira. Os responsáveis pelo clube e os jovens estão furiosos com a forma como foram tratados pela companhia aérea.

Os jovens, acompanhados de treinador e alguns familiares, foram no sábado de manhã para o Porto, onde participaram no Campeonato Nacional de Juvenis de Atletismo.

O regresso à Madeira estava marcado para as 21h50 do último domingo. Chegados ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, ficaram a saber que o voo tinha sido cancelado por falta de tripulantes. Receberam um 'voucher? de seis euros para cada elemento e a informação de que teriam de arranjar uma solução para a sua estadia, uma vez que, por ser altura dos festejos de São João, as unidades hoteleiras estavam cheias. Ficou também a promessa de que o voo realizar-se-ia na noite de hoje. Contudo, uma vez mais, o voo ficou cancelado pelas mesmas razões apontadas na noite anterior. Os atletas têm entre os 15 e os 17 anos.

Adriano Gonçalves, treinador que acompanha os atletas [dois deles tinham exames nacionais amanhã, terça-feira], diz-se indignado com a forma como a TAP está a tratar não só o seu grupo, mas os madeirenses em geral.

"A Associação lá irá desembolsar dinheiro para pagar as despesas dos nossos atletas. Mas os meus atletas são menores e alguns estão cá sem familiares. Se fosse alguém que não tivesse onde ir buscar dinheiro, o que aconteceria?" questiona o treinador que denuncia o facto de ser constante o cancelamento de voos para a Madeira.

"Já não falo pela Associação do Jardim da Serra. Estou a falar por todos aqueles que são constantemente penalizados pela TAP. O que pretende esta companhia?", questiona o treinador que diz ter conseguido que os jovens que têm exame nacional amanhã, possam cumprir com o seu dever num estabelecimento de ensino do Porto. Em princípio, a restante equipa tem voo marcado pela manhã mas Adriano Gonçalves desconfia que haverá mais um cancelamento. Os estudantes que têm de ser submetidos a exame nacionais,s ficam acompanhados por um adulto também pertencente ao clube, enquanto o treinador vem os restantes elementos para a Madeira. Os dois estudantes não sabem quando voltarão à terra Natal.

"Isto é um absurdo. O que a TAP está a fazer aos madeirenses é um absurdo", desabafa treinador.