CMF e Universidade Aberta querem mostrar a importância da cidade do Funchal no mundo

Lúcia M. Silva

Foi assinado na manhã desta terça-feira um acordo de cooperação entre a Câmara Municipal do Funchal e a Universidade Aberta, através da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização. A assinatura deste protocolo visa essencialmente a realização de um conjunto de iniciativas que vão contribuir para colocar o Funchal como uma 'cidade global' como explicou, na ocasião, José Eduardo Franco.

A assinatura deste protocolo visa essencialmente a realização de um conjunto de iniciativas que vão contribuir para colocar o Funchal como uma 'cidade global' como explicou, na ocasião, José Eduardo Franco.

O diretor da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização lembrou que a cidade do Funchal foi no passado "um ponto estratégico de intercâmbio, de trocas civilizacionais, de produtos e de ideias e tornou-se uma cidade de referência" e que, por essa razão, neste ano e no próximo, em que se assinalam os 600 anos da descoberta da Madeira, "faz todo o sentido colocar a cidade do Funchal no centro das comemorações".

Através do nosso centro de investigação, das nossas universidades, queremos então colaborar com esta edilidade da nossa terra para precisamente dar esta relevância nacional e internacional”, destacou o também investigador.

Já para o presidente da Câmara municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, a assinatura deste protocolo representa uma oportunidade de mostrar a importância histórica da cidade do Funchal no mundo, através da ciência e do conhecimento.

Mostrando total disponibilidade para colaborar nesta área, o autarca espera que, com este acordo, ver surgirem formações, estudos e eventos culturais que “possam realçar esta importância do Funchal enquanto cidade global e do conhecimento”.