PCP no Parlamento Europeu exigem orçamento comunitário que "faça justiça"

Os deputados do PCP no Parlamento Europeu, "a par de uma profunda modificação da Política Agrícola Comum, da necessária restauração do POSEI-Pescas (fora do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas) e da criação de um programa específico POSEI-Transportes", exigem um "orçamento comunitário que faça justiça e compense Portugal, particularmente as suas regiões autónomas, pelos prejuízos acumulados decorrentes de políticas contrárias aos interesses do país impostas pela União Europeia e cujas consequências no nosso aparelho produtivo são bem visíveis".

Os deputados no Parlamento Europeu consideram que o corte de 3,9% em todos os programas de apoio às regiões ultraperiféricas, "que acresce aos cortes já anunciados na política de coesão e na Política Agrícola Comum", é "inaceitável" já que vem confirmar as prioridades da União Europeia, "cada vez mais afastadas das necessidades dos Estados-Membros enfrentando maiores dificuldades, do apoio aos seus sistemas produtivos e às suas populações, e cada vez mais orientadas para os interesses das principais potências da UE e dos seus grupos económicos".

Neste sentido, os comunistas dizem ainda que o corte anunciado, de 106,2 milhões para 102,1 milhões de euros, para os Açores e para a Madeira "é apresentado a preços correntes", ou seja, "na realidade, a preços constantes ajustados pela inflação, estes cortes são na realidade muito maiores".

" A concretizarem-se, estes cortes não deixariam de ter consequências profundamente negativas para as regiões dos Açores e da Madeira e para as suas populações", apontam.