Rubina Leal acusa Cafôfo de "não falar a verdade" em relação à dívida com a ARM

A vereadora do PSD/M na Câmara do Funchal, Rubina Leal, acusou o executivo municipal de estar a "mentir" aos residentes, relativamente às dívidas com a ARM.

A social democrata acusa o autarca Paulo Cafôfo de "não falar a verdade", de "não cumprir os seus compromissos" e não acatar "aquilo que é definido pelos tribunais".

“Temos uma Câmara que não cumpre e não paga aos seus fornecedores”, disse, acrescentando que a situação é inaceitável para a vereação do PSD/M, visto que depois "engana" e "manipula" a opinião pública. "Como se todos estivessem com os olhos fechados e não percebêssemos o que é ser caloteiro, o que é não pagar as suas contas, o que é não cumprir os seus compromissos, vem com cópias de cheques, inclusivamente fora de prazo, que diz que pagou e não se trata do mesmo assunto", acrescentou.

A porta-voz nesta iniciativa lembrou ainda que atualmente há 54 mil consumidores que pagam o lixo e a água na cidade do Funchal, e se esse pagamento não for feito, a responsabilidade recai na conta dos mesmos. Refira-se que a ARM presta dois serviços ao município: fornecimento de água e receção e tratamento de resíduos.

Por sua vez, continua Rubina Leal, o presidente da Câmara diz que a CMF diz ter a melhor gestão financeira de sempre, mas a dívida que tem à ARM põe em causa "todo o equilíbrio financeiro". Recusando-se a aceitar a situação atual desta autarquia, a vereadora do PSD/M refere ainda que tal situação mostra que o executivo “não está à altura dos lugares que ocupam e que enganam a população do Funchal”.

Recorde-se que já ontem a presidente da empresa Águas e Resíduos da Madeira (ARM) acusou a Câmara Municipal do Funchal de não ter pago "um euro" da dívida que tem relativamente aos resíduos sólidos. Dos 10,7 milhões euros anunciados ontem no DN, 10,1 milhões correspondem a serviços de água e 600 mil a pagamentos de faturas vencidas relativas a serviços prestados em 2016 e até março de 2017. A responsável avançou que o Funchal tem dívidas em relação aos dois serviços, mas quanto à água está "mais ou menos acordado". Já quanto aos resíduos, e apesar dos esforços, não terá sido possível chegar a qualquer acordo.