Pedro Ramos: “direito à greve pode ser exercido por qualquer cidadão”

O secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, afirmou hoje que o direito à greve “pode ser exercido por qualquer cidadão, em qualquer profissão”, podendo ser exercido mesmo no caso dos médicos.

Os médicos “estão em greve por um período de três dias e a lutar por direitos que, neste momento, ainda não têm e que são direitos que poderão até, quando forem atribuídos, contribuir para que as prestações de cuidados dos profissionais de saúde possam se manter com mais segurança e mais qualidade”, disse Pedro Ramos.

O secretário salientou, no entanto, a responsabilidade acrescida que estes profissionais têm, referindo como sua principal preocupação a manutenção dos “níveis de prestação com qualidade e segurança”.

Quanto aos serviços mínimos, Pedro Ramos disse que “são garantidos a nível do Serviço de Urgência, Cuidados Intensivos e a nível de qualquer prestação que, mesmo durante o período de greve, algum doente precise de uma forma adicional à atividade prestada no dia a dia”.

Declarações feitas á margem da sessão de abertura da semana que assinala o Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos.