Jornadas da APH esclarecem madeirenses sobre hemofilia

A Associação Portuguesa de Hemofilia e de outras Coagulopatias Congénitas (APH) realiza, no dia 28 de abril, em parceria com o Hospital Dr. Nélio Mendonça, as “Jornadas de Hemofilia” para esclarecer os madeirenses sobre as características desta patologia.

A associação recorda, em comunicado, que o termo genérico “hemofilia” descreve um grupo de distúrbios da coagulação hereditários, nos quais existe uma anomalia permanente no mecanismo da coagulação do sangue.

Estas jornadas, que se realizam no Hospital Central do Funchal, vão contar com a participação de Bruno Freitas e Elias Gonçalves do Serviço de Sangue e Medicina Transfusional desta unidade hospitalar, que falarão sobre profilaxia e a importância da adesão ao tratamento por parte das pessoas portadoras de hemofilia.

Outro dos temas em debate será “Ortopedia e hemofilia – estratégias de intervenção”, que contará com as explicações de Margarida Santos do Centro Hospitalar de Lisboa Central.

A sessão terá ainda um painel sobre as novas abordagens na hemofilia, da responsabilidade de Miguel Crato e Ana Pastor, presidente e coordenadora do Comité de Mulheres da APH, respetivamente.

A hemofilia é uma doença crónica e uma deficiência orgânica congénita no processo da coagulação do sangue. De transmissão genética, ligada ao cromossoma X, aparece quase exclusivamente nos indivíduos do sexo masculino e caracteriza-se pela ausência ou acentuada carência de um dos fatores da coagulação. Por este motivo, a coagulação é mais demorada ou inexistente, provocando hemorragias frequentes, especialmente a nível articular e muscular.

Estas jornadas estão abertas à população em inscrições podem ser feitas através do email info@aphemofilia.pt até ao dia 19 de abril.

A Associação Portuguesa de Hemofilia e de outras Coagulopatias Congénitas é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, na área da Saúde, sem fins lucrativos. Colabora com as entidades governamentais para garantir o diagnóstico, o tratamento e o acompanhamento adequados a toda a comunidade com Distúrbios Hemorrágicos.

Tratamento para todos será a meta final da associação para que todas as pessoas com estas patologias possam ter uma melhor qualidade de vida, nomeadamente a nível médico e psicossocial.