Sara Madruga segue exemplo de Paulino e também devolve dinheiro das viagens

Alberto Pita

A deputada à Assembleia da República Sara Madruga da Costa anunciou, esta noite, em comunicado, que vai “devolver as verbas recebidas”.

Em face das questões levantadas sobre as viagens dos deputados da Madeira e dos Açores, “esclareço que não tive a prática regular de receber o subsídio de mobilidade de todas as viagens que realizei, nem pouco mais ao menos até porque sempre tive dúvidas sobre o seu acerto”, começa por referir.

No entanto, admite a deputada do PSD, “agi de acordo com aquilo que entendi ser a lei, embora reconheça, com toda a humildade que tal possa ser eticamente questionável”.

“ Apoio incondicionalmente o pedido de parecer solicitado pelo grupo parlamentar do PSD à subcomissão de ética do parlamento para esclarecimento desta situação”, acrescenta a deputada, revelando que, por uma “questão de consciência”, decidiu “antes de saber o resultado do parecer da Assembleia da República, devolver as verbas recebidas”.

A deputada diz ainda que a Assembleia da República paga a todos os deputados um apoio que é calculado em função da distância do local de residência de cada um. Este montante, é pago a todos os deputados não residentes em Lisboa, mesmo se não fizerem as viagens e independentemente do meio utilizado para a sua deslocação.

“ Aos deputados residentes na Madeira e nos Açores é atribuído o montante de quinhentos euros, os únicos que têm obrigatoriamente de se deslocar de avião”, acrescenta.

“No meu caso, cumpro com esta regra de viajar todas as semanas à Madeira, local onde resido efetivamente, onde tenho o meu marido e família e onde também desempenho trabalho e iniciativas políticas que normalmente até são públicas no meu círculo eleitoral que é a Madeira”, justifica-se, concluindo que o caso “é uma excelente oportunidade para rever este sistema, estando disponível para participar neste debate”.

Recorde-se que o caso foi divulgado pelo Expresso deste fim-de-semana. Além de receberem 500 euros para as viagens, alguns deputados das ilhas acumulavam a ajuda do subsídio de mobilidade.