Deputados ganham com as viagens

Paulino Ascenção acabou de renunciar ao mandato na Assembleia da República devido ao caso das viagens.

O bloquista pede desculpa pela “prática incorreta” de solicitar o subsídio de mobilidade por viagens que já são subsidiadas pela Assembleia da República e promete transferir a verba referente à mobilidade por ser ilhéu a instituições de solidariedade social.

Os dividendos desta acumulação de apoios variam em função do preço final das viagens. Num exercício meramente exemplificativo, podemos referir que os deputados podem ganhar quase 500 euros por viagens que custem 400 euros.

Os deputados recebem 500 euros por semana da Assembleia da República para assegurar a deslocação entre o continente e as ilhas. E, no caso da Madeira, o subsídio de mobilidade indica que os residentes suportam apenas 86 euros por viagens e recebam o remanescente das viagens até ao custo máximo de 400 euros. Se a viagem custar até 400 euros, os deputados só têm recebem 86 euros de custos que serão, portanto, subtraídos aos 500 euros do apoio à deslocação.