Concurso de Vitrinismo da CMF regressa com a Festa da Flor

Cláudia Ornelas

A Câmara Municipal do Funchal (CMF) em parceria com a Associação do Comércio e Indústria do Funchal (ACIF) voltou a apresentar o Concurso de Vitrinismo ‘Cidade das Flores’, que já vai na 4ª edição.

O evento, disse a presidente da ACIF, Cristina Pedra, pretende que os empresários se envolvam na Festa da Flor, utilizando o motivo florar para decorar as vitrines dos seus estabelecimentos, para promover a entrada de clientes e consequente comércio dos produtos.

Prazos:

De acordo com o regulamento divulgado pela autarquia, os interessados devem apresentar a sua candidatura até 17 horas do dia 18 de abril de 2018, que poder ser realizada através do site da CMF ou da ACIF. Podem concorrer todos os estabelecimentos com monstras visíveis ao público, devendo a decoração estar visível ao público, no mínio entre os dias 19 e 29 de abril.

Prémios:

Cristina Pedra acrescentou que aos estabelecimentos vencedores serão atribuídos os seguintes prémios: 1.000 euros (1.º lugar); 500 euros (2.º lugar) e 250 euros (3.º lugar). Estes serão apurados com base nos seguintes critérios: utilização de flores naturais (10%); criatividade (35%) e harmonia (55%).

Saliente-se que esta é uma medida enquadrada no âmbito do Programa de Revitalização de Comércio promovido pela CMF.

O presidente Paulo Cafôfo esteve presente na ocasião na qual referiu que a Festa da Flor é organizada por diversas entidades públicas, entre elas o Governo Regional, apelando à participação de todos os madeirenses na iniciativa.

Diretora de Serviços de Eventos Turísticos, Raquel Brazão afirmou que o concurso já conta com dez inscritos e espera ultrapassar o número de participantes da edição passada, na qual 22 estabelecimentos aderiram à iniciativa.

Arte urbana para a Rua dos Tanoeiros:

Ainda a propósito do Programa de Revitalização do Comércio, a autarquia quer também implementar uma iniciativa de arte urbana na Rua dos Tanoeiros, que terá o nome ‘Adote uma Loja’.

Paulo Cafôfo explicou que essa medida pretende fazer com que diversos artistas ‘adotem’ cada uma das lojas dessa rua para fazerem intervenções artísticas com base numa pipa, de forma a tornar a artéria mais atrativa. Isto porque a tanoaria, ofício que deu o nome à rua, é a arte de construção das pipas, acrescentou o presidente.

A iniciativa começa a ser implementada em abril e, de acordo com o autarca, estará operacional e partir de agosto ou setembro.