CDU diz que foram usadas verbas em situações não prioritárias após o 20 de fevereiro

Foi na Travessa do Poço Rodrigo, situada na freguesia do Monte, no Funchal, que o CDU abordou um conjunto de oito iniciativas para denunciar o que “ainda falta fazer, oito anos após o 20 de fevereiro de 2010”.

Na ocasião, Herlanda Amado denunciou “as intervenções urgentes que já deveriam ter sido feitas, quer ao nível das linhas de água quer da consolidação de escarpas.”

A deputada destacou as muitas “famílias afetadas pelo 20 de fevereiro que ainda não têm uma situação de realojamento definitivo, e que ainda se encontram instaladas em habitações provisórias”.

O partido acrescenta que as “intervenções urgentes em falta” nos concelhos afetados, entre estes Funchal, Câmara de Lobos, Santa Cruz e Ribeira Brava, são impossíveis de desmentir pelas entidades competentes, Governo Regional e Câmaras Municipais.

Existem “escarpas inseguras e ribeiros obstruídos, com as suas margens estranguladas”, prossegue a CDU, que afirma que “foram usadas verbas da Lei de Meios, destinadas à reconstrução, em situações não prioritárias em relação às que estavam devidamente identificadas.”