PSD/M quer transformar encerramento dos CTT em Santo António em “questão nacional”

Lusa

PSD/Madeira pretende transformar o encerramento da loja dos CTT em Santo António, no Funchal, numa "questão nacional" devido à dimensão da freguesia, que tem 28 mil habitantes, disse hoje o deputado madeirense na Assembleia da República Paulo Neves.

"Aquilo que se passa em Santo António não é aceitável", afirmou o social-democrata numa conferência de imprensa, junto à loja dos CTT de Santo António, que encerrou a 15 de dezembro de 2017.

As declarações do deputado surgem na sequência da deslocação do presidente da Junta de Freguesia de Santo António, Rui Santos (PSD), à Assembleia da República, na quinta-feira, onde manteve reuniões com o presidente da comissão de Economia e representantes do PS, do CDS-PP e do PSD.

O autarca foi o primeiro a levantar a questão do encerramento das lojas dos CTT diretamente no parlamento, em nome da maior e mais populosa freguesia do concelho do Funchal.

"O nosso objetivo era exatamente esse. Era transformar esta questão de Santo António numa questão nacional, devido precisamente à dimensão que esta freguesia tem", explicou Paulo Neves, realçando que a deslocação do presidente da Junta ao parlamento teve uma "importância muito grande".

O deputado - um dos três eleitos pelo PSD/Madeira à Assembleia da República - vincou que os CTT têm uma "responsabilidade enorme" de serviço público, sobretudo quando está em causa o encerramento de uma loja numa das "maiores freguesias do país" em número de habitantes.

Da parte da Junta de Freguesia, o objetivo é que o serviço seja reposto com todas as valências, uma vez que os dois postos em funcionamento não respondem a todas as solicitações, nomeadamente o reembolso do subsídio de mobilidade.