Trabalhadores da ARM pedem mais condições e aumento do salário em 2018

Tânia R. Nascimento

Uma tabela salarial que valorize o trabalho e os trabalhadores, com um aumento já em janeiro de 2018, e mais e melhores condições de trabalho são duas das reivindicações dos trabalhadores da Águas e Resíduos da Madeira (ARM), que entregaram, esta manhã, uma moção ao presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Tranquada Gomes.

De acordo com a presidente da Deleção do Funchal do Sindicato das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente (SITE), os trabalhadores da ARM reuniram-se em plenário no passado dia 30 de novembro com vista a analisar a situação do processo negocial do acordo de empresa.

"Após oito reuniões de negociação, a administração, nas matérias salariais e pecuniárias, não se tem mostrado disponível para apresentar propostas que venham ao encontro das justas reivindicações dos trabalhadores", constatou Maria José Afonseca.

Para além disso, lembrou, "os trabalhadores não têm atualizações salariais há já vários anos" e a "comissão negociadora sindical, de acordo com as decisões dos plenários, sempre se mostrou disponível para a negociação dos valores da tabela apresentada pelos trabalhadores e dos respetivos enquadramentos".

Maria José Afonseca argumentou também que a administração "não aceita negociar a tabela" nem "fazer os enquadramentos a não ser para os trababalhadores que estão abaixo do primeiro nível para cada categoria".

A dirigente recordou ainda que, nos últimos anos, o Governo Regional atualizou somente o salário mínimo regional, mantendo congelados todos os restantes salários.

Neste contexto, os trabalhadores da ARM resolveram exigir que a administração faça propostas que "venham ao encontro das legítimas expetativas dos trabalhadores", nomeadamente, uma tabela salarial que valorize o trabalho e os trabalhadores, um melhor enquadramento e reclassificação das suas carreiras profissionais e mais segurança e melhores condições de trabalho.

A passagem de todos os trabalhadores com vínculos de trabalho precário a vínculos de trabalho permanente e a contratação de novos trabalhadores em falta em várias áreas na empresa são, também, outras das suas reivindicações.

"Os trabalhadores exigem, também que o Governo Regional e Assembleia Legislativa da Madeira (ALM) tomem todas as providências e medidas para que os trabalhadores tenham um real aumento do salário já em janeiro de 2018", levando a que "os trabalhadores recuperem o poder de compra perdido nos últimos anos", de modo a "contribuir também para economia regional", argumentou a dirigente.

Caso a administração, o Governo Regional e a ALM não respondam, num curto espaço de tempo, às reivindicações dos trabalhadores, os mesmos preveem mandatar a comissão negociadora sindical e o sindicato para convocar as "ações de luta que achar mais conveniente".