Subsídio de mobilidade: “GR tem de aproveitar abertura da TAP” diz CDS Madeira

Cláudia Ornelas

O CDS-PP Madeira entregou na Assembleia da República (AR) uma proposta, que será discutida em especialidade, de revisão da lei do subsídio de mobilidade.

A proposta pretende que os madeirenses residentes paguem 86 euros e os estudantes da Madeira no continente 65 euros, nas deslocações aéreas entre a ilha e o território continental.

Ressaltando que a TAP mostrou abertura para rever o modelo de subsídio de mobilidade aérea, António Lopes da Fonseca diz que o Governo Regional deve aproveitar a oportunidade.

“Não tem justiça em termos sociais que continuemos aqui a falar de princípio da continuidade territorial e na Madeira, um residente ou um estudante, tenha de pagar passagens de 500 e 600 euros”, afirmou o presidente do CDS-PP Madeira.

O partido acredita que este é “o momento certo” para rever o modelo, para ir de encontro ao princípio da continuidade territorial. Uma revisão que poderá ser feita através do Orçamento de Estado ou “pela via da negociação que está a ser feita junto do Governo da República, através do vice presidente” do Governo Regional, conclui o dirigente.