CMF cria em janeiro novos programas de apoio ao comércio

Carla Ribeiro

O programa de apoio aos estabelecimentos históricos (com mais de 25 anos) e que tinha uma dotação de 260 mil euros só tem 8% concretizado não vai ser renovado em janeiro. Por outro lado, o apoio de um salário mínimo regional para cada um dos estabelecimentos comerciais do Funchal, com quase 82% de execução, vai ser readaptado.

Pedro Calado disse-o, hoje, no final da reunião semanal da Câmara Municipal do Funchal. O autarca esclareceu que a ideia não é terminar com a medida mas alargar o âmbito da mesma, no sentido de serem constituídos outros programas de apoio aos comerciantes e fazê-los terem início no próximo mês de janeiro. O presidente da Câmara, relativamente à ajuda aos estabelecimentos históricos, disse que o programa não teve adesão, será terminado e readaptado para outro objeto social.

Com esta readaptação, em função do novo período, Pedro Calado diz que há que readaptar este tipo de apoios às necessidades dos lojistas em função das suas necessidades. Os programas estão a ser estudados sendo que no início de 2022, a Câmara irá lançá-los. O autarca diz ser prematuro falar dos mesmos.