Câmara de Lobos: CDS pede mudança no planeamento para a minimizar efeitos das chuvas

Redação

Amílcar Figueira, acompanhado por uma comitiva composta por autarcas, militantes e moradores, deslocou-se, nesta quinta-feira, ao Complexo Habitacional do Bairro do Ribeiro Real para se inteirar dos problemas que os residentes sentiram, no passado fim de semana, durante as chuvas que assolaram a nossa ilha.

Na ocasião, o vereador do CDS em Câmara de Lobos e já assumido candidato à autarquias local nas eleições deste ano, constatou que “no passado fim de semana, a ilha da Madeira foi fustigada por um grande temporal, que causou elevados prejuízos. Em várias localidades, choveu como nunca antes tinha chovido”, bem como que “esta situação tem vindo acontecer com maior frequência e é um sinal de que o clima está a mudar e essa mudança de clima requer que haja, por parte das entidades competentes, uma mudança no planeamento das cidades e dos concelhos, exigindo muito mais rigor e fiscalização, por forma a minimizar os efeitos das chuvas”.

Ora, o CDS esteve no Complexo Habitacional do Ribeiro Real “para alertar uma situação que há muito preocupa a população residente, especialmente em períodos de maior intensidade de chuvas. O ribeiro que passa junto ao Bairro, por mais que uma vez, transbordou, alagando as habitações e causando elevados prejuízos”.

Nesse sentido, prosseguiu Amílcar Figueira, “o CDS alerta às entidades competentes que tomem medidas urgentes, no sentido de salvaguardar a segurança da população. E recomenda que sejam feitas urgentemente obras no sentido de aumentar o muro "do lado das habitações" de forma a que a água siga o seu caminho, salvaguardando a segurança dos residentes”.

O centrista recorda que “no passado fim de semana constatei que algumas adufas estavam entupidas, daí a água ter entrado para o interior de algumas habitações. Sabemos muito bem, que cabe a cada um de nós ser um agente de proteção civil, isso é óbvio, como é óbvio que é da competência da Câmara Municipal de preparar as adufas e as linhas de água para que não haja problemas de maior”.

Por fim, registou, “é de louvar a atitude da população em geral, a forma de entreajuda que é característica do povo de Câmara de Lobos, como também à corporação dos Bombeiros Voluntários de Câmara de Lobos e os operacionais da Câmara Municipal e das juntas de Freguesias que têm sido incansáveis na reposição da normalidade, provocada pelo mau tempo do último fim de semana”.