PSD-Madeira “esteve, sempre, ao lado do povo venezuelano"

Redação

Os deputados Carlos Fernandes e Paulo Neves, eleitos, pelo PSD/M à Assembleia Legislativa Regional e à Assembleia da República, respetivamente, participaram no primeiro dos três Fóruns a realizar, via zoom, no âmbito da Consulta Popular que decorre até ao próximo dia 12 de dezembro, visando dar voz aos Venezuelanos na luta contra a Ditadura e na progressiva construção de um Estado Democrático.

Uma Conferência que contou, igualmente, com a intervenção de dois deputados eleitos à Assembleia da República da Venezuela.

Um Estado Democrático que "restitua a dignidade, a qualidade de vida e bem-estar e a segurança de quem ali vive", conforme explica Carlos Fernandes, que reiterou, na ocasião, o facto do PSD/M ter assumido, desde a primeira hora, "esta luta como uma das suas principais bandeiras".

Apoio e solidariedade também expressas pelo deputado Social-democrata Paulo Neves que, numa alusão ao trabalho que o seu Partido tem vindo a promover junto do Governo da República em prol da comunidade madeirense residente na Venezuela – seja do ponto de vista das acessibilidades aéreas, seja do ponto de vista do reforço dos meios e da resposta dos Consulados ou, mesmo, do reconhecimento e acolhimento que se impõem aos regressados a Portugal e à Madeira – deixou claro que a luta pela Venezuela e pelo povo Venezuelano é uma das prioridades do PSD/M, assim como também é prioridade que aquele País recupere a segurança, o progresso e as condições de vida que outrora lhe foram características.

"Somos, sem dúvida, os grandes defensores das várias preocupações que dizem respeito à nossa comunidade que vive na Venezuela mas, também, dos que regressam da Venezuela e temos chamado várias vezes a atenção do Governo da República para aquilo que são as suas necessidades, seja do ponto de vista social, seja do ponto de vista da mobilidade e de haver ligações entre a Venezuela e Portugal com escala na Madeira, seja ainda do ponto de vista do reforço dos apoios às Associações locais ou ainda ao nível da saúde e do apoio aos medicamentos", disse Paulo Neves, vincando que, também relativamente aos que regressam, "tão madeirenses quanto nós", tem vindo a ser feito um trabalho de base que é para continuar, até porque este regresso "não é um problema mas, sim, uma oportunidade".

Refira-se que o segundo Fórum, a decorrer via zoom, desta Consulta Popular, decorre a 3 de dezembro e poderá ser acompanhado também através das redes sociais, onde os cidadãos poderão participar, bastando que, para tal, façam o seu registo de inscrição na página Venexos, onde consta a Conferência: ′′A Consulta Popular: Um Direito Constitucional e Político dos venezuelanos".