Madeira queixa-se de falta de apoio da República nesta pandemia

Redação

Em entrevista ao Expresso, o vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, queixou-se da falta de apoio do governo central nesta pandemia e recorda que deputados do PSD/Madeira não podem "servir só para aprovar o que é bom para toda a República".

Não querendo entrar pela polémica das injeções financeiras no Novo Banco, Pedro Calado diz na entrevista que a resolução da questão do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) "é mais um reflexo do abandono de Lisboa ao arquipélago" e que sabe bem "o que é enfrentar a pandemia sem o apoio do Governo da República".

Realça também que "nem o aval ao empréstimo de 458 milhões de euros para mitigar os efeitos da Covid-19 foi dado pelo Estado" e confessa que "sabemos o que é enfrentar isto tudo sozinhos", não vislumbrando motivos para que o Governo ainda não tenha prorrogado os benefícios fiscais da CINM.

Na entrevista, o Expresso escreve que a "extensão desse regime terá, aliás, sido usada pelo PS como moeda de troca para o voto contra dos deputados do PSD eleitos pela Madeira à proposta do BE que visava travar as transferências para o Novo Banco no próximo ano", recordando que, "a dada altura, Paulo Neves, Sara Madruga da Costa e Sérgio Marques ainda deram sinais de poder desalinhar da orientação dada pela direção da bancada "laranja", mas uma conversa entre Rio e Albuquerque arrumou o assunto".

A este respeito, Pedro Calado contorna a polémica e ressiona o Governo. Na Zona Franca, recorda, "estão instaladas mais de 2300 empresas, que representam, "direta e indiretamente", mais de "seis mil postos de trabalho". No total, vinca, a CINM significa perto de 15% das receitas fiscais do arquipélago, ou seja, cerca de "100 milhões de euros".

Neste sentido, o responsável madeirense sugere que "é bom que PS e PSD se lembrem que a Madeira também é Portugal e que os três representantes sociais-democratas no Parlamento não obedecem "a interesses partidários, mas aos interesses da Madeira".
"Não podemos servir só para aprovar o que é bom para toda a República e, depois, quando é preciso, não aprovam o que é bom para a Madeira", afirma na entrevista.

Neste artigo, o Expresso avança que, a 10 de dezembro, a Assembleia da República discute uma outra proposta do PSD para prorrogar a vigência dos benefícios da Zona Franca.

Pedro Calado diz que o assunto é de "simples" resolução e pede atenção a António Costa e a Rui Rio. O CINM não devia ser um problema da Madeira, devia "ter a bandeira nacional".