Livros a preços baratos até ao fim da tarde no Mercado dos Lavradores

Romina Barreto

Até às 18:00h de hoje - e sem interrupção para almoço - decorre no piso superior do Mercado dos Lavradores, mais precisamente no terraço, a última das feiras temáticas que preencheram todas as quintas feiras deste mês.

Hoje, a feira é dedicada aos alfarrabistas. Desde livros em segunda mão a revistas de época, a oferta é variada, mas o Mercado está a registar uma afluência muito reduzida. Não só de compradores, mas também de curiosos.

A garantia é dada pela dezena de alfarrabistas que estão a participar nesta feira alusiva a livros usados. São, no total, dez bancadas repletas de livros a preços acessíveis que oscilam, em média, entre os 0,40€ e os 5€.

O propósito é despertar o interesse dos curiosos. Algo que parece não estar a acontecer: "está a ser muito fraco", refere uma das comerciantes que lamenta o facto de a feira estar a acontecer no piso superior, em vez de se realizar no hall, como inicialmente previsto. Alegadamente, foi o boletim meteorológico a ditar essa alteração.

No entender destes alfarrabistas essa circunstância faz toda a diferença e está a refletir-se nas vendas praticamente nulas.

"Costuma ser no rés do chão o que chama mais atenção", refere André Gomes, que tem uma bancada bastante eclética e com preços acessíveis. "Tenho livros a 0,50€ porque o objetivo era escoar o produto, mas, sobretudo, chamar a atenção".

A opinião é transversal a todos. Interpelados pelo JM, não escondem o desagrado. Uma das alfarrabistas considerou mesmo que a feira deveria estar melhor sinalizada.

Porém, somente um cartaz à entrada dá conta do evento e conforme explicam, a maioria das pessoas nem sabe onde é o terraço.

Certo é que no terraço do Mercado dos Lavradores estão escondidas algumas relíquias datadas da década de quarenta do século XX. Um dos alfarrabistas com quem conversámos ostenta uma bancada dedicada à cozinha, exibindo, com orgulho, livros de culinária da II Guerra Mundial.

De salientar que estes acontecimentos se tratam de uma iniciativa da Câmara Municipal do Funchal, cujo objetivo incidiu na retoma deste tipo de eventos, dinamizando, também, o Mercado e potenciando, assim, a economia local.