Autarca do Porto Santo admite necessidade de reforço do policiamento

Catarina Gouveia

Idalino Vasconcelos, presidente da Câmara Municipal do Porto Santo, comentou, em declarações à rádio 88.8 JM/FM todos os atos de vandalismo “inqualificáveis” que têm acontecido na Ilha Dourada.

O autarca afirma ser inadmissível que menores vão passar férias ao Porto Santo sem a companhia dos seus pais, sendo essencial alguma “supervisão parental”, para que estes adolescentes não sejam deixados “à sua inteira liberdade”.

“Há um descontentamento da população”, refere Idalino Vasconcelos, pois “ninguém do Porto Santo vai para a Madeira, nem para as Canárias, nem para os Açores, fazer aquilo que está a ser feito no Porto Santo”, destino este que, na visão do autarca, “não tem condições para ser um destino de finalistas” por ir contra todo o trabalho que tem sido feito na promoção da Ilha Dourada como um local de “paz, sossego e sem criminalidade”.

Idalino Vasconcelos considera que o trabalho da PSP no Porto Santo tem sido “incansável”, mas que é impossível “ter um polícia para cada pessoa”. Reconhece que a presença da polícia no Porto Santo precisa de ser reforçada, ainda que considere que tal não seria necessário “se houvesse mais civismo”.

O presidente da Câmara Municipal do Porto Santo referiu ainda, numa comparação com os anos anteriores, que este ano estão a ser recebidas menos reclamações relacionadas com o barulho durante a noite. Por outro lado, considera que os casos de vandalismo cresceram este ano, sobretudo “nas últimas duas noites”.