Porto Santo: Empresário sugere atividades e recintos ao ar livre para os jovens

Iolanda Chaves

O empresário Luís Bettencourt pensa que faltam atividades e locais ao ar livre para os jovens se ocuparem nas férias, no Porto Santo.

"Vejamos, não temos um cinema, um parque infantil como deve ser, o desporto está ao abandono com sociedades desportivas falidas que recebiam meio milhão de euros por época, o campo José Lino Pestana completamente ao abandono, campos de ténis com falta de manutenção... que alternativa têm estes jovens? Se estiver um dia de chuva no Porto Santo, que se pode fazer? Comer lambecas?", questiona o empresário que já tornou pública a intenção de se candidatar à Câmara Municipal, como independente, nas próximas eleições autárquicas.

Falando ao JM, considera que o parque de campismo (atualmente fechado) "está ao abandono". Luís Bettencourt não entende por que razão "não se faz o jardim da cidade" e lamenta que a ilha tenha infraestruturas desportivas que "não estão aproveitadas", nomeadamente para "uma pista de skate" ou até para "um ginásio ao ar livre".

Recordando as docas, no Penedo do Sono, que no ano passado estiveram em foco devido às festas noturnas que estavam a prejudicar o descanso dos turistas, diz que foram feitas para canalizar os empresários da noite para aquele espaço e aí poderem laborar.

"Esquecem-se que o executivo de Roberto Silva, na altura, junto com a Sociedades de Desenvolvimento de Porto Santo que gere aquele espaço, acordaram que quem tivesse estabelecimentos da noite no centro da cidade fechariam portas às 24h00 e que teriam que deslocar a sua atividade para aquele espaço. O resultado está á vista, nenhum empresário sobreviveu e muitos ficaram com processos judiciais às costas. Recomeçaram de novo... é justo? Rendas dentro dos 2 a 3,000€... um disparate...", sublinha.

Sobre os atos de vandalismo perpetrados por jovens, pede mais policiamento na ilha, neste período, e lembra a responsabilidade dos pais dos menores.

"Os meninos (menores) saem à noite e tomam as bebedeiras, a culpa é dos bares, não é dos pais. Saem dos bares e vandalizam tudo, a culpa é da policia, referem os pais, e por ai diante... como se fosse a policia a financiar esses jovens... Vão os maiores de idade comprar bebida e dão aos menores, quem consegue controlar isto? Quem? No Pingo doce saem com sacos de bebidas... caixas de cervejas às costas... quem fiscaliza?", lança, para reflexão, especialmente dos políticos.