Regresso da companhia aérea Jet2 é "um dia feliz para a Madeira", diz Eduardo Jesus

Hoje foi o dia que marcou a retoma da operação da companhia aérea britânica Jet2, que voltou a voar para a Madeira.

"É uma operação extremamente importante para nós, trata-se do maior operador inglês que opera para a Madeira e que, já na segunda-feira, vai fazer chegar aqui um conjunto alargado de voos que transportará centenas de pessoas para a Madeira", reagiu Eduardo Jesus.

O secretário regional do Turismo e Cultura nota que "pese embora as restrições que Inglaterra ainda coloca no regresso aos passageiros ao Reino Unido, a verdade é que a Jet2 conseguiu motivar um conjunto alargado de turistas que, ainda assim, acreditando no destino seguro que a Madeira representa, preferem vir cá passar férias mesmo que tenham de ficar de quarentena no seu regresso".

"Esta é uma prova de grande confiança quer do operador, quer do mercado inglês, relativamente à Madeira. Estão a acompanhar, dia após dia, aquilo que aqui acontece, a política que tem sido seguida pelo Governo Regional no sentido da afirmação deste destino como um destino seguro e é um destino seguro não porque as pessoas dizem que é um destino seguro, mas porque têm sido tomadas medidas muito importantes, muito objetivas, que transmitem essa mesma segurança", sublinhou o governante, aludindo ao "controlo exemplar da pandemia" na Madeira e passando em revista o leque de determinações do Executivo Regional no sentido de evitar a propagação do vírus.

"Dia feliz para a Madeira"

"Tudo isto é o caminhar para a afirmação deste destino seguro. A Jet2 compreendeu esta evolução, este cuidado, interessa transmitir aos seus clientes que a Madeira tem este tipo de atenção não só com aqueles que a visitam mas com aqueles que cá habitam. Por isso é um dia feliz para a Madeira, depois de largos meses sem a presença da Jet2 voltar a ver o avião desta companhia a aterrar na Madeira é uma satisfação bastante grande".

Importa referir que o número de voos semanais vai subir de 60 para 140 neste mês de agosto, facto que leva Eduardo Jesus a afirmar que "a retoma está a acontecer" e que "é preciso acreditar e aproveitar estas boas notícias para contagiar positivamente todo o setor".