PCP denuncia incúria governamental no Paúl da Serra

"Nos acessos ao Paúl da Serra, na zona da Cova Grande e Cova dos Louros, nas serras do concelho da Ponta do Sol, está em curso uma intervenção que, para além de uma enorme pedreira, através de fundos comunitários da União Europeia e através de apoios do Governo Regional da Madeira, tem uma negativa incidência paisagística e coloca muitas dúvidas quanto à salvaguarda da protecção ambiental", começa por referir a nota enviada à imprensa.

"Toda a intervenção naquele território abarca uma vasta área geográfica onde, para além dos fortes impactos ambientais e paisagísticos, se colocam problemas para a segurança de pessoas e bens a jusante, em virtude da actual estruturação dos terrenos em caso de chuvas mais intensa.

Numa área territorial especialmente sensível, como é a zona das serras do Paúl da Serra, tudo se torna ainda mais contraditório e brutalmente agressivo para a protecção ambiental e para a salvaguarda da paisagem quando continua a operar, com toda a anuência dos governantes, a imensa pedreira, agora ainda mais exposta na sua capacidade destrutiva.

A actividade extensiva e destrutiva da agressão paisagística e ambiental provocada pela pedreira naquela zona de montanha, nos acessos ao Paúl da Serra, manifesta uma incúria injustificável que responsabiliza os governantes na Região Autónoma da Madeira.

  1. Interpelação.

O PCP, através do deputado Ricardo Lume, avançará com o questionamento ao Governo Regional no sentido de se apurar informação oficial sobre as razões e fundamentos para a licenciada continuidade da intensa intervenção da pedreira, tão negativa para o ambiente e para a paisagem, e a sua compatibilização com os alegados objetivos de reposição paisagística da zona florestal, que justificaram avultados financiamentos públicos para a operação em curso nas serras da Ponta do Sol, nos acessos ao Paúl da Serra.

O deputado do PCP irá ainda interpelar o Governo Regional quanto aos eventuais estudos de impacto ambiental que terão antecedido e enquadrado aquela intervenção naquele território, assim como também quanto aos eventuais planos de previsão de riscos inerentes àquela impactante modificação paisagística", conclui o comunicado.